sábado, 15 de junho de 2013

AFINAL, A POLÍCIA TEM OU NÃO O DEVER DE IMPOR A ORDEM?



O MAL NÃO VEM COM CHIFRES, MAS COM CARA DE INGÊNUO E PURO!
Seja dada a seguinte situação: “as empresas do setor aéreo resolvem aumentar as passagens em sete pontos percentuais. Mas como? Os aeroportos estão lastimáveis, o serviço está péssimo e os atrasos constantes e ainda querem aumentar? Aí, algumas pessoas reclamam, outras lamentam, outras acham que o ministério público deve investigar, mas um outro grupo, um determinado grupo de ativistas políticos vêem na situação a oportunidade de faturar politicamente. Esse grupo cria uma ONG do tipo MDTA (movimento pela democratização do transporte aéreo), convoca seus companheiros do movimento estudantil  e vão para as ruas fazer um protesto “pacífico”. Três mil ativistas descem pela avenida Paulista. Ali param o trânsito. A polícia fica parada, só observando a passeata. Aí o tempo passa: ambulâncias ficam paradas com o doente esperando; o professor não consegue chegar para dar a aula; o entregador de pizza já teme que as pizzas se estraguem; o juiz, o padre, o advogado, o engenheiro, todos, ficam ali aguardando a liberação da passagem. Mas os “manifestantes” acham pouco quando não há reação: aí começam a pichar os ônibus, a balançar os carros, subir em seus tetos e capôs; os  mais atrevidinhos fazem sinais obscenos para os policiais e riem na sua cara. Nesse momento, a polícia entra em ação e decide acabar com a passeata. Aí aqueles manifestantes “ pacíficos” retiram de suas mochilas paus, porretes, pedras, coquetéis Molotov e barbarizam quem está ao alcance, depredam o comércio vizinho e destroem o que há de equipamento público pela frente. É claro que se chegaram a este ponto da ação não irão parar pelo diálogo: a polícia, então, emprega todo o seu vigor dissuasório: gás lacrimogêneo, balas de borracha e cassetete. Esses santos remédios retiram os manifestantes “pacíficos” do local e liberam a passagem para quem quer trabalhar. Mas não acabou ainda, você pensa que eles perderam? Qual nada. À noite nos canais de televisão e nos jornais do dia seguinte, vem a manchete: “POLÍCIA TRUCULENTA IMPEDE MANIFESTAÇÃO PACÍFICA!”. Os caras não são bobos, têm muitos companheiros nas editorias dos jornais e telejornais. Pronto, agora o serviço está feito: estão pouco se lixando para o aumento das passagens aéreas, mesmo porque quase nunca se utilizam delas, o queriam mesmo era demonizar a polícia e colocar o estado de direito de joelhos. Conseguiram: o comandante da polícia vem pedir desculpas pelos “excessos”, o governador vem garantir a punição dos policiais violentos etc etc”.
Agora, imagine você, se cada grupo de interesse quiser parar a cidade por seu motivo particular (ainda que justo)  e barbarizar quem está por perto, não deve a polícia entrar para restaurar o direito constitucional das pessoas ir e vir? Afinal não foi para isso que se inventou a polícia: garantir ao cidadão a liberdade de ir onde desejar e proteger seus bens? Pode um grupo de 3 mil estudantes constranger 5 milhões de trabalhadores em nome de seu conceito de justiça? Pense nisso: o Brasil já tem muita desordem espontânea, não precisamos da desordem planejada.

PS.: o argumento de que a polícia deveria ser mais branda e não cometer excessos não deve ser valorizado. As pessoas que lidam com segurança pública sabem bem que uma ação tímida e excessivamente delicada encoraja o baderneiro!


Um comentário:

Divina Jardim disse...

O Gigante Acordou!

O que está levando as pessoas para as ruas no Brasil? Se você acha que a resposta está nos centavos do aumento das passagens, ou qualquer coisa pontual, você está muito errado. A única explicação que faz sentido é a que considera uma conjuntura muito maior. Uma visão sistêmica. Desigualdade, políticas econômicas atrapalhadas, inflação, economia mundial, medidas populistas, atropelamento da legislação, retrocesso na legislação ambiental, interferência política nas estatais, corrupção e uma tremenda falta de representatividade na política. A questão dos reajuste das passagens, assim como gastos absurdos para Copa/Olimpíadas são apenas "gatilhos" (que não deixam de ser graves) para algo, que é muito maior e tem escala mundial. Estamos falando do esgotamento do modelo de desenvolvimento socioeconômico, agravado por uma crise de representatividade. Basta olhar para as manifestações que estão acontecendo pelo mundo inteiro...

A partir dos meados do século XVIII, o modelo de crescimento econômico baseado na industria-lização e consumismo, junto ao progresso técnico-científico, trouxe extraordinários avanços à qualidade de vida, ainda que de forma severamente desigual. Porém, surgem sólidas evidências que revelam espantosos limites para o modelo de desenvolvimento baseado no crescimento econômico: não conseguimos resolver os graves problemas da desigualdade, há uma grave crise de representatividade política e os impactos ambientais das nossas atividades já são severos em escala global. Esta constatação configura um verdadeiro “choque de realidade.” Em termos de qualidade e padrão de vida, este modelo por várias gerações iluminou a esperança quanto ao futuro, mas agora passou a ser a principal ameaça para a realização deste sonho coletivo.

Um pouco mais sobre o Brasil, imaginem a vergonha que vamos passar nos grandes eventos como a Copa e as Olimpíadas... Os eventos são considerados por alguns políticos, grandes empresários, boa parte da mídia, entre outros, como "vitrine" para o país. Para a imagem ficar bonita, aplicaram um "filtro": fazendo remoções de comunidades, realizando falsas pacificações em favelas, atropelando a legislação ambiental, limpando as regiões em torno dos estádios, mascarando o trânsito com mudanças temporárias e... provendo a "garantia da segurança aos torcedores" com uma efetivo policial "altamente preparado" para lidar com situações de multidão. Esqueceram porém, que todo filtro é frágil. Um filtro esconde, mas não muda a realidade. E a grande "vitrine" que venderia o país [eternamente?] do futuro, vai virando uma "anti-propaganda", expondo as malandragens desse país. Tudo isto, felizmente, possível através da coragem de alguns, que estão protestando e quebrando o filtro, defendendo o que DEVERIA ser o nosso interesse comum. Mas, são reprimidos com força pela polícia, e moralmente por uma triste maioria que prefere a falsa "ordem da malandragem" que lutar por um Brasil e um mundo melhores. Que a vergonha que vamos passar sirva de estímulo para mudanças, vamos manter o gigante acordado.
A maior violência de TODAS é essa IMPUNIDADE QUE SEMPRE PREVALECE A FAVOR DOS POLÍTICOS CORRUPTOS.
CHEGA!!!
O POVO ACORDOU.
Uma pena ter de enfrentar a POLÍCIA - que também faz parte do POVO E É EXPLORADA como todos nós. Mas como somos um país que ainda tem resquícios da DITADURA - Os Militares são obrigados a intervir no confronto e acabamos sendo jogados uns contra os OUTROS.
ACORDA RENAN CALHEIROS
ACORDA SARNEY...
ACORDEMM.... A CORDA ESTÁ ARREBENTANDO...

Sem corrupção, o Brasileiro poderia ser até 27% mais rico.

Você ainda acha que esse problema ainda não te afeta?
Você ainda acha que não é um problema seu?
Sério?

Divina Jardim.